NOTA TÉCNICA SOBRE O GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O Guia Alimentar para a População Brasileira de 2014, por contextualizar a alimentação adequada e saudável nas perspectivas culturais, sociais, econômicas, políticas e ambientais, por orientar o que comer, como comer e preparar as refeições e incluir sugestões para enfrentar os obstáculos para manter práticas alimentares saudáveis e sustentáveis no âmbito individual e coletivo, se destaca pela abordagem inovadora e pelos avanços que propõe na forma de lidar com os problemas atuais ligados à alimentação e à nutrição. A última edição também se mostra como instrumento importante para apoiar profissionais envolvidos em ações de promoção da saúde população, além de subsidiar políticas e programas de saúde e de segurança alimentar e nutricional, propondo integrar a complexa relação entre promoção do direito humano à alimentação saudável e adequada, promoção da saúde e prevenção de doenças [1].

A elaboração dessa edição representou um processo abrangente, legítimo e democrático, marcado pelo diálogo representativo entre órgãos, instituições e sociedade civil, o que foi fundamental para garantir que o material contemplasse as demandas da realidade brasileira e estivesse em consonância com os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, durante a consulta pública, as parcerias com os Conselhos Regionais de Nutrição e o apoio do Conselho Federal de Nutrição reforçaram a importância desse profissional na construção do material [2].

Ao basear algumas de suas recomendações na classificação de alimentos pelo nível de processamento (classificação NOVA), considerar o ato de comer e a comensalidade em sua abrangência e se sustentar nas evidências científicas mais recentes da época, a edição ganhou projeção no cenário nacional e internacional por considerar a transição do cenário epidemiológico contemporâneo. Isso porque a predominância de doenças crônicas não transmissíveis em detrimento da desnutrição energético-proteica tornaram obsoletas as classificações anteriores, restritas à divulgação das quantidade de nutrientes e orientações sobre quantidade e variedade de porções, que nem sempre conseguem comunicar e contribuir para escolhas alimentares mais saudáveis, atingir outros profissionais de saúde e ampliar a autonomia da população [3, 4].

LEIA MAIS.

Sede CRN7

Edifício Real One, 21º andar. Avenida Governador José Malcher, 937 - Nazaré. Belém - PA, CEP 66055-260.
Tel: (91)3038-7006 / (91) 3038-7016
Registro de Pessoa Física: registro@crn7.org.br
Registro de Pessoa Jurídica: registropj@crn7.org
Boeltos, Anuidades e Acordos Financeiro: cobranca@crn7.org.br
Horário de Funcionamento: Seg-Sex 08h:00 às 17h:00
Informaçõs Gerais: contato@crn7.org.br

Delegacia em Manaus - AM

Rua 24 de Maio Ed. Rio Negro Center Sala nº 906 Centro - CEP 69010-080 Manaus - Amazonas
Contatos: (92) 32341686 / delegaciaam@crn7.org.br
Horário de Funcionamento: Seg-Sex 08h:00 às 17h:00

Delegacia em Porto Velho - RO

Ed. Medical Center, Sala 505
Endereço: Rua Joaquim Nabuco, nº 3200 - Olaria, Porto Velho - RO, CEP 76804-340
Contato: delegaciaro@crn7.org

Copyright ©2018 Conselho Regional de Nutricionistas 7ªRegião. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido pelo Setor de Tecnologia da Informação - CRN7.

Pesquisar no Site